O consumidor mudou, a TIC ajudou, e você, já se adaptou?

Ailton Oliveira Neves é gerente Divisão - Data Center

Ailton Oliveira Neves é gerente Divisão – Data Center

Três tendências tecnológicas moldaram um novo modelo de consumo, ditado não apenas por quem compra, mas também e principalmente pelas interações realizadas por este consumidor. São elas: mobilidade, cloud computing e social media.

Como? Assim: estas três áreas possuem um ponto convergente, que é a colaboração entre os usuários. Não basta mais o consumidor pesquisar itens de seu interesse e comparar preços pela Internet, ele agora o faz pelo navegador do smartphone e dali mesmo já compartilha sua experiência nas redes sociais, colhendo informações sobre o produto ou serviço em questão, sobre o fabricante, o vendedor, a empresa de entregas e toda a cadeia que trará a mercadoria até ele.

É um mundo novo e para se manterem competitivas as empresas de TIC terão de entende-lo e se adaptar na velocidade da mais recente moda do Facebook – qual é ela mesmo? Ah, já passou.

Vamos começar pelo básico: o público não está mais só lá no lado dele, ele está aqui dentro da sua empresa, basta que ele acesse seu site ou visite sua página em alguma das redes. Sendo assim, o que ele vai encontrar? É importantíssimo cuidar da sua presença virtual, atentando para que o conteúdo de seu website seja claro e informativo, e o de suas redes sociais, contributivo e útil para o seu consumidor.

Colaborar com a boa informação do cliente tornou-se um atrativo. Fornecer dados e análises que o auxiliem não só em suas decisões de compra, mas em suas atividades profissionais e pessoais, é um novo apelo de venda e uma poderosa ferramenta para tornar seu negócio um referencial de mercado. E ser simpático também: tenha postagens convidativas, que atraiam seu público pelo visual, conteúdo e criatividade. Em rede social, chamar interação é melhor do que chamar atenção. #ficadica

Seu público alvo é comprador de TIC corporativa e não curte nem compartilha a ideia de navegar nas mídias sociais? Fale-me mais sobre as campanhas massivas feitas nestes meios por gigantes como Apple, Dell, IBM e SAS, sobre o fato de que dentre as empresas que usam rede social no Brasil, 63% são da área de informação ou comunicação (segundo estudo do CGI.br) e de que para 79% dos usuários de redes sociais da América Latina, posts de marcas ou de conhecidos sobre marcas e produtos são fator decisor de compra (dados da Oh! Panel).

Retomando a convergência das três forças do novo consumo, vamos envolver a cloud computing e outra tendência trend topic do momento, o Big Data, nas mídias sociais.

O Brasil é líder disparado no uso de redes sociais, com 84% de participação, e isso gera dados – muitos, muitos dados. Você pode monitorar estes canais para identificar preferências, comportamentos, incidentes, contatos, grupos de interesses, uma infinidade de coisas que, armazenadas e analisadas, serão úteis para planejar soluções e ofertas.

Armazenar, porém, é custoso, e para transformar este limão em uma lucrativa limonada a quantidade de empresas que migrarão suas infraestruturas de TI para a nuvem nos próximos três anos vai nada menos do que dobrar, como constata pesquisa da IBM com o instituto Economist Intelligence Unit.

Toquezinho em 140 caracteres: os mais rápidos na adoção da cloud computing terão vantagem na criação de produtos, de serviços e na captura de novos mercados, diz o estudo.

Muita gente já se deu conta disso, basta ver que dos 500 empresários ouvidos para o levantamento, 16% afirmam já investir em nuvem para inovar os negócios, ampliar a atuação para novos nichos de negócio ou se reinventar nos mercados em que já atuam. Outros 35% garantem que o farão até 2015.

A mobilidade, terceiro ingrediente da composição do novo consumidor, vem como a cobertura desse bolo todo. E como toda boa cobertura, é abundante: no Brasil, foram 272,72 milhões de acessos móveis no primeiro bimestre de 2014 (Anatel), dos consumidores entre 25 e 34 anos, 45% usam smartphones e, destes, 32% acessam a Internet mais no telefone do que no computador e 21% só acessam pelo celular (Google).

É mole? Seu produto, seu serviço, sua empresa, seu nome, sua marca estão o tempo todo sendo vistos, comparados e, se você fizer direitinho seu papel do lado do fornecedor para um novo modelo de consumo, comprados.

Aquela máxima do “foco no cliente” pode ser tradicional, mas não fica velha jamais. É ela que está na mesa novamente, determinando sua vantagem ou desvantagem competitiva. Seu cliente agora é um ser cheio de olhos, ouvidos e bocas, pois o que ele vê e ouve chega por muitas fontes e o que ele fala repercute em todas elas, mais os contatos de cada uma. É uma rede extensa demais para sua empresa ficar de fora, não é não?

Fontes:
http://goo.gl/LvSnu9
http://goo.gl/IVL9F8
http://goo.gl/9LxOOK

O consumidor mudou, a TIC ajudou, e você, já se adaptou?
Avalie este post

Posts Relacionados:

No Comments

Leave a Comment

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked