O que é e quais vantagens do design de roteamento IGP e BGP?

Você conhece o design de roteamento IGP e BGP? O roteamento, em sua forma mais básica, é o processo de movimentação de dados entre as redes da camada 3. Ele pode ser configurado de três formas: estaticamente, dinamicamente ou com uma combinação de ambos. 

As rotas estáticas são usadas em ambientes de rede para várias finalidades, incluindo uma rota padrão para uma rede com uma única conexão. O roteamento estático é ideal em redes pequenas, onde há menos roteadores.

Ela exige um controle absoluto do roteamento, uma vez que ele é configurado em cada dispositivo. Em qualquer caso, o roteamento estático apresenta muitas desvantagens, o que o torna inadequado para redes médias e maiores. Nesse caso, a melhor opção é o roteamento dinâmico.

O que é e quais os benefícios do roteamento dinâmico?

Os protocolos de roteamento dinâmicos permitem que os dispositivos da camada 3 aprendam e compartilhem dinamicamente as informações de roteamento. Dessa forma, os dispositivos trocam todas as informações (prefixos, parâmetros e atributos) da rede entre si.

Quando um dispositivo adiciona, altera ou remove qualquer informação em particular, os spreads de alteração e o restante dos dispositivos são atualizados dinamicamente. Alguns dos benefícios do roteamento dinâmico incluem:

  • Redução de tarefas administrativas: os dispositivos aprendem as informações automaticamente e não é necessário configurar manualmente as rotas em cada dispositivo.
  • Disponibilidade: durante situações de falha, os protocolos de roteamento geram automaticamente um novo caminho contornando a falha, sem a necessidade de alterar a configuração.
  • Escalabilidade: os dispositivos gerenciam facilmente o crescimento da rede, calculando caminhos automaticamente.

Os protocolos de roteamento, de acordo com sua área de aplicação, são divididos em Internal Gateway Protocols (IGP) e External Gateway Protocol (EGP).

Como funciona o design de roteamento IGP e BGP?

Os IGPs são usados ​​dentro de um sistema autônomo (SA). Eles são responsáveis ​​por construir e manter as informações de roteamento dentro do domínio do SA, por isso, são consideradas “internas”.

Esses protocolos constroem a estrutura do SA e, considerando sua aplicação em redes mais amplas, como os ISPs, as características mais importantes que devem ter são a robustez, a convergência rápida e a otimização do tráfego gerado pelos protocolos.

É essencial que a rede interna do provedor de ISP seja eficiente, robusta e segura. Por causa disso, os protocolos IGP são projetados para seguir esses parâmetros. Em uma implementação correta, o IGP não deve ter que manter muitos prefixos, pois, afeta seu desempenho. 

Já um protocolo EGP é usado para trocar informações de roteamento entre diferentes Sistemas Autônomos. O único protocolo usado hoje como EGP é o Border Gateway Protocol (BGP). Todos os esforços estão centrados na melhoria e ampliação dos benefícios deste protocolo e não no desenvolvimento de novos padrões.

Isso se deve ao fato de que o BGP é um protocolo da internet, usado pelas organizações que pretendem se interconectar umas com as outras. Como é utilizado entre muitos domínios administrativos e transporta muita informação (todos os prefixos da internet), deve ser um protocolo granular no que diz respeito às políticas de interligação e deve aplicar mecanismos para garantir o transporte da informação.

Por que usar o design de roteamento IGP e BGP?

As principais vantagens do design de roteamento IGP e BGP são escalabilidade e adaptabilidade. Uma rede dinamicamente roteada pode crescer mais rapidamente e maior e é capaz de se adaptar às mudanças na topologia de rede provocada por esse crescimento ou pela falha de um ou mais componentes de rede.

Com um design de roteamento IGP e BGP, os roteadores aprendem sobre a topologia da rede, comunicando-se com outros roteadores. Cada roteador anuncia sua presença e as rotas disponíveis para os outros roteadores da rede.

Portanto, se você adicionar um novo roteador ou adicionar um segmento adicional a um roteador existente, os demais serão orientados sobre a adição e ajustarão suas tabelas de roteamento de acordo.

Você não precisa reconfigurar os roteadores para informar que a rede está com alterações. Da mesma forma, se você mover um segmento de rede, os outros roteadores ouvirão sobre a alteração. Você só precisa alterar a configuração do roteador (ou roteadores) que conecta o segmento que foi movido. Isso reduz a chance de que erros ocorram.

Em suma, o design de roteamento IGP e BGP permite que a rede continue funcionando, mesmo que com capacidade reduzida, quando ocorre uma falha parcial, até que esta seja consertada.

Gostou do nosso artigo? Conheça mais sobre o Grupo Binário e como podemos ajudar a melhorar o desempenho da rede da sua empresa!

O que é e quais vantagens do design de roteamento IGP e BGP?
Avalie este post

Posts Relacionados:

No Comments

Leave a Comment

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked