No corporativo, no público: sucesso se escreve com alinhamento da TIC à estratégia

globo51.jpgA Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) não é um recurso restrito a si próprio – tecnologia para o departamento de TI -, mas um ferramental de negócio. Esta é uma máxima que vem sendo trabalhada há alguns anos, e que, para a alegria de CIOs e ganhos de CEOs do mundo todo, ganha cada vez mais força e aceitação.

Não apenas na esfera privada: na definição da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação (EGTI) do Governo Federal, na primeira semana de abril, a importância do investimento e uso convergente da TIC no alinhamento entre ferramentas e alcance de objetivos despontou como prioridade.

Na construção da EGTI, as metas propostas englobam dirigentes de TI de órgãos federais, correlatos e seccionais, e preveem a elaboração participativa de planos entre todas as áreas ao longo de 2014 e 2015. Para quê? Para alcançar a sinergia entre TIC, projetos e ações que permitam atender às demandas das mais variadas estratégias do governo.

Trazendo esta mesma moldura para a cena privada, o quadro cabe perfeitamente: um estudo da McKinsey divulgado há poucas semanas, por exemplo, mostra que cada vez mais as empresas abandonam o discurso de TI como ferramenta de redução de custo e passam a vê-la como oportunidade de efetivar negócios.

O cenário foi desenhado com base na coleta de respostas junto a 807 executivos, dos quais mais da metade são de áreas usuárias, e mostrou que a prioridade das companhias quanto à adoção de TI é prover eficiência aos processos, controlar custos e assegurar a apuração e entrega de informações gerenciais.

Resumindo, convergência. Na EGTI do Governo Federal, o mesmo pode ser visto: outra meta definida na nova estratégia é o compartilhamento de informações e recursos, seja de softwares e soluções eletrônicas desenvolvidas pelos órgãos do governo, seja de terceiros, para otimização do trabalho.

Voltando ao estudo da McKynsei, para suportar as prioridades definidas, 64% dos entrevistados destacam aumento nos investimentos em TIC este ano.

Projeção já feita também pelo governo brasileiro: ainda em 2012, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação havia anunciado meta de ampliar o investimento do país no setor para 1,8% do PIB até 2015. E quando se sabe que o Brasil é um dos quatros maiores mercados do mundo em termos de gastos com TIC, representando mais do que duas vezes a Rússia e a Índia e investindo mais da metade do percentual de toda a América Latina no setor, em vias de atingir a terceira posição na TIC global até 2022, a projeção torna-se ainda mais razoável.

Para chegar a tudo isso, não é novidade que os investimentos focarão não apenas as soluções de tecnologia, mas também a mão de obra.

No setor privado, a altíssima demanda por profissionais especializados em TIC não é novidade – dado da IDC mostra que até 2015 haverá uma lacuna de 117.200 profissionais especializados apenas nas áreas de redes e conectividade no Brasil.

Cenário que não muda muito ao olhar para a esfera pública: para alinhar a tecnologia às estratégias do governo federal, a EGTI também prevê uma agenda de investimentos em capacitação de pessoal ao longo de 2014 e 2015. Para tanto, oficinas e discussões com os órgãos integrantes do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação (Sisp), programas de qualificação e novos concursos públicos estão nos planos.

No governo, nas empresas, TIC é recurso fundamental para o bom andamento e o alcance de objetivos de negócio. Disso, já sabemos. E promover este alinhamento: sabemos também? Vale a reflexão!

Grupo Binário

 

No Comments

Leave a Comment

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked