IPv6: conexões mais rápidas, dados melhores

Os terríveis avisos sobre a falta de endereços na internet estão acabando porque, devagar mas caminhando, a migração do mundo do IPv4 para o IPv6 já começou e há um software pronto para evitar o apocalipse de endereços que muitos estavam prevendo.

Ainda não sabe bem o que isso tem a ver com você e sua empresa? Vamos voltar aos primórdios do endereçamento na internet e ver porque você deve se importar com o IPv6!

O que é IPv6 e por que é importante?

O IPv6 é a versão mais recente do Internet Protocol, que identifica dispositivos na internet para que possam ser localizados.

Todos os dispositivos que usam a internet são identificados por meio de seu próprio endereço IP para que a comunicação pela rede funcione. Funciona exatamente como os endereços e CEPs que você precisa saber para enviar uma carta.

A versão anterior, IPv4, usa um esquema de endereçamento de 32 bits para suportar 4,3 bilhões de dispositivos, o que foi considerado suficiente à época. No entanto, o crescimento da internet, dos computadores pessoais, dos smartphones e, agora, dos dispositivos da Internet das Coisas, provaram que o mundo precisava de mais endereços.

Felizmente, a IETF (Internet Engineering Task Force) reconheceu isso há 20 anos. Em 1998, criou o IPv6, que usa endereçamento de 128 bits para suportar aproximadamente 340 trilhões de trilhões (ou 2 elevado à 128ª potência, se preferir).

Em vez do método de endereço IPv4 de quatro conjuntos de números de um a três dígitos, o IPv6 usa oito grupos de quatro dígitos hexadecimais, separados por dois-pontos.

Quais são os benefícios do IPv6?

Em seu trabalho, o IETF incluiu melhorias comparado ao IPv4. O protocolo IPv6 pode manipular pacotes de maneira mais eficiente, melhorar o desempenho e aumentar a segurança. Ele permite que provedores de serviços de internet reduzam o tamanho de suas tabelas de roteamento, tornando-os mais hierárquicos.

Se a sua organização oferece um site público ou aplicativos da internet ou aplicativos móveis, é provável que o site funcione mais rápido ao usar IPv6 do que o IPv4. Isso se deve em parte à proliferação de conversão de endereços de rede (NAT) por provedores de serviços para conectividade com a Internet IPv4.

Como funciona a conversão de endereços de rede (NAT)?

A adoção do IPv6 foi atrasada em parte devido à conversão de endereços de rede (NAT — network-address translation), que pega endereços IP privados e os transforma em endereços IP públicos. Dessa forma, uma máquina corporativa com um endereço IP privado pode enviar e receber pacotes de máquinas localizadas fora da rede privada que tenham endereços IP públicos.

Sem o NAT, grandes corporações com milhares ou dezenas de milhares de computadores devorariam enormes quantidades de endereços IPv4 públicos se quisessem se comunicar com o mundo exterior. Mas esses endereços IPv4 são limitados e estão quase esgotados a ponto de terem que ser racionados.

O NAT ajuda a aliviar o problema. Com ele, milhares de computadores endereçados privativamente podem ser apresentados à internet pública por uma máquina NAT, como um firewall ou roteador.

Quando um computador corporativo com um endereço IP privado envia um pacote para um endereço IP público fora da rede corporativa, ele primeiro vai para o dispositivo NAT. O NAT observa os endereços de origem e destino do pacote em uma tabela de conversão.

Então, o NAT altera o endereço de origem do pacote para o endereço público do dispositivo NAT e o envia para o destino externo. Quando um pacote responde, o NAT traduz o endereço de destino para o endereço IP privado do computador que iniciou a comunicação. Isso pode ser feito para que um único endereço IP público possa representar vários computadores de endereçamento particular.

Quem está implantando o IPv6?

As redes de operadoras e os ISPs foram o primeiro grupo a começar a implantar o IPv6 em suas redes, com as redes móveis liderando a carga. Por exemplo, a T-Mobile USA, operadora de rede sem fio tem mais de 90% do seu tráfego passando pelo IPv6, com a Verizon Wireless logo atrás, com 82,25%.

As empresas estão em fase de implantação, com um quarto delas anunciando prefixos IPv6, de acordo com o relatório “State of IPv6 Deployment 2018” da Internet Society. Complexidade, custos e tempo necessários para completar são todos os motivos indicados.

Dispositivos conectados estão preparados para desempenhar um papel maior em nossas vidas. Com os usuários móveis continuando a crescer, com a ascensão da Internet das Coisas, os pesquisadores preveem que bilhões de dispositivos estarão conectados à internet nos próximos anos.

Embora a implantação do IPv6 tenha sido lenta, mais e mais organizações estão percebendo que a decisão de fazer a transição para o IPv6 não é mais uma opção, mas uma realidade necessária.

Gostou de aprender como o IPv6 garante conexões mais rápidas e dados melhores? Assine nossa newsletter e receba mais dicas como essa diretamente no seu e-mail!

No Comments

Leave a Comment

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked