Como a Edge Computing está transformando o mundo

edge computing

Você está pronto para viver no limite? É o que a Edge Computing está sugerindo ao mundo da Tecnologia da Informação.

O estado da tecnologia é tão avançado em comparação ao que foi há apenas meio século que parece que os engenheiros encontraram respostas para os desafios mais profundos apresentados pela própria natureza.

A velocidade da comunicação está além da expressão e imaginação dos humanos. No entanto, as pessoas que realmente trabalham com TI, rede e computação de nuvem sabem bem que ainda há um caminho a percorrer.

Os problemas na velocidade de comunicação

A arquitetura tradicional de datacenter é baseada sobre centrais de computação, de onde as informações são enviadas e recebidas através de redes globalmente espalhadas. Aqui, quanto maior a distância entre o endpoint e o datacenter, maior o tempo de resposta.

Em muitas aplicações, esse intervalo de tempo incrementalmente maior é irrelevante. No entanto, em muitos outras, ele faz toda diferença.

Exemplos? Claro, aqui estão alguns.

  • Experiências de realidade virtual (VR) e realidade aumentada (AR) são mais satisfatórias quando a computação necessária para renderizar o conteúdo é realizada perto o suficiente dos dispositivos AR e VR.
  • Veículos autônomos exigem feedback em tempo real de redes externas para fazer correções de rumo e evitar colisões.
  • Em IoT, muitas ações analíticas precisam ser realizadas fechadas para os dispositivos que geram os dados de origem.
  • O conteúdo de vídeo em alta definição, se armazenado em cache mais perto de grandes concentrações de pessoas que provavelmente o acessam, significa que os provedores podem evitar grandes custos de transmissão em redes provisionadas por operadoras terceirizadas.

O que é a Edge Computing

Um método de otimização de sistemas de computação em nuvem, executando o processamento de dados na borda da rede, próximo à origem dos dados. Esta é a Edge Computing. Ela reduz a largura de banda de comunicações necessária entre os dispositivos e o datacenter central, realizando análises e geração de conhecimento na fonte de dados ou próximo delas.

Fazendo essa computação mais próxima da borda da rede, as empresas podem processar dados e analisá-los dinamicamente em tempo real. Essa análise de dados quase em tempo real está sendo aproveitada por muitos setores de assistência médica, financeiro e de telecomunicações, e terá um papel vital em fazer com que tomem decisões de negócios muito mais informadas.

Porque a Edge Computing é a resposta

Bem, a Edge Computing, ou computação de borda, tem a ver com a obtenção de distribuição geográfica para que o poder de computação possa ser levado para mais perto dos endpoints que mais precisam.

Por isso, em vez de depender de uma dúzia de datacenters gigantes, a computação de borda permite que a nuvem se aproxime de lugares/pessoas/dispositivos, para reduzir os tempos de resposta em algumas centenas de microssegundos.

Mas porque a computação de borda é tão importante? Antes de respondermos, algumas estatísticas:

  • Até 2020, espera-se que haja mais de 5.600 milhões de sensores inteligentes e dispositivos IoT conectados em todo o mundo.
  • Os dados gerados por esses dispositivos serão da ordem de 5.000 zettabytes.
  • O tamanho do mercado de IoT deverá atingir US $ 724 bilhões até o final de 2023.

A maioria desses dados será gerada em endpoints corporativos localizados na “borda” — como sensores, máquinas, smartphones, dispositivos vestíveis etc. Consideramos eles localizados na “borda” porque eles estão distantes do datacenter central da empresa.

Esses dados massivos não conseguem ser simplesmente transmitidos para o servidor central porque podem facilmente sobrecarregar toda a rede. Isso exige que as empresas implementem a Edge Computing para que os dados não precisem ser transportados para datacenters corporativos.

Em vez disso, eles são usados para análises operacionais avançadas nas instalações remotas, permitindo que gerentes de sites e indivíduos atuem em tempo real sobre as informações disponíveis.

Como a TI global está se ajustando à filosofia de borda?

Qualquer tecnologia que possa ajudar a resolver problemas de latência também pode ajudar com problemas de largura de banda. As empresas entendem que não podem enfatizar sua largura de banda. Principalmente em casos de uso em que todos ganham para executar cálculos próximos a endpoints em vez de no servidor central.

Gigantes da tecnologia — Apple, Google, Amazon e outros — parecem ter muito foco na execução de IA em dispositivos de usuários finais em vez de na nuvem. Há rumores de que a Amazon está trabalhando na criação de chips de Inteligência Artificial que serão integrados aos dispositivos Echo. Isso irá reduzir sua dependência da nuvem e fornecendo resultados de pesquisa de voz mais rápidos.

O Google está tentando arduamente melhorar os sites usando os mesmos princípios da computação de borda. Aplicativos da Web Progressivos são um bom exemplo, com funcionalidades offline. O Google Clips é outro exemplo em que os dados são mantidos locais e a IA chega ao seu dispositivo, em vez de os dados terem que ir para um servidor onde a magia da IA ocorre.

A Edge Computing já está mostrando um crescimento rápido sem sinais de desaceleração. Isso significa que é hora de o setor de TI antecipar sua acomodação agora.

E você, o que achou da novidade? Ficou com alguma dúvida sobre a Edge Computing? Comente abaixo e compartilhe suas questões e ideias conosco!

No Comments

Leave a Comment

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked