As 6 tecnologias que impulsionam as cidades inteligentes

cidades inteligentes

Cidades inteligentes não são mais a onda do futuro. Elas já são uma realidade e estão crescendo rapidamente à medida que a Internet das Coisas (IoT) se expande e afeta os serviços municipais em todo o mundo.

A indústria da cidade inteligente está projetada para se tornar um mercado de US $ 400 bilhões até 2020, com 600 cidades em todo o mundo. Espera-se que essas cidades gerem 60% do PIB mundial até 2025, segundo pesquisa da McKinsey.

Embora existam muitas definições de cidade inteligente, em geral, uma Smart City, como também é conhecida, utiliza sensores e tecnologia IoT para conectar componentes em toda a cidade, impactando todas as suas camadas, desde as ruas até a rotina da população.

Para que isso aconteça, existem tecnologias-chave que fazem as cidades inteligentes funcionarem. Aqui estão as seis principais:

1. Energia inteligente

Os edifícios residenciais e comerciais em cidades inteligentes são mais eficientes, usam menos energia e seu uso é analisado através da coleta de dados.

As redes inteligentes fazem parte do desenvolvimento das Smart Cities, e os postes são um ponto de entrada fácil para muitas cidades, já que as luzes de LED economizam dinheiro e retornam seu investimento dentro de alguns anos.

A iluminação é onipresente — está em toda parte que as pessoas trabalham, viajam, fazem compras, jantam e relaxam.

As comunicações digitais e a iluminação LED, através da eficiência energética, estão revolucionando a infraestrutura urbana já existente, transformando-as em caminhos de informações com capacidade de coletar e compartilhar dados e oferecer novos insights com potencial de impulsionas as cidades inteligentes.

2. Transporte inteligente

As cidades inteligentes suportam transporte multimodal, semáforos e estacionamento inteligente. Ao tornar essas estruturas de cidade mais inteligente, as pessoas gastam menos tempo procurando vagas e circulando os quarteirões da cidade. Já os semáforos têm câmeras que monitoram o fluxo de tráfego para que ele se reflita nos sinais de trânsito.

Até mesmo os ônibus urbanos estão se conectando para que as pessoas tenham informações em tempo real sobre quando o transporte chegará ao ponto. Na Austrália, por exemplo, os semáforos são priorizados com base nos horários dos ônibus para que o tráfego flua mais livremente durante os horários de pico, por exemplo.

As cidades inteligentes são aquelas que reduzem muito o tráfego de veículos e permitem que pessoas e bens sejam movidos facilmente por vários meios.

Sistemas inteligentes de tráfego são um exemplo disso e a conquista do transporte de veículos autônomos é um excelente exemplo de sucesso para uma cidade inteligente, pois pode reduzir as mortes em acidentes, a poluição e o tempo de tráfego.

3. Dados inteligentes

A enorme quantidade de dados coletados pelas cidades inteligentes deve ser analisada rapidamente para torná-la útil.

Portais de dados abertos são uma opção que algumas cidades escolheram para publicar informações da cidade de forma online, para que qualquer pessoa possa acessá-los e usar a análise preditiva para avaliar padrões futuros.

Mesmo os dados coletados pelas luzes da rua podem ser usados ​​para beneficiar os cidadãos. Os volumes exponenciais de dados coletados de sistemas de iluminação conectados e outros dispositivos de IoT se transformam em insights e informações valiosas sobre como os cidadãos interagem com as cidades.

Por exemplo, dados de tráfego capturados por postes de iluminação podem revelar uma localização privilegiada para um novo restaurante em um bairro revitalizado. A análise preditiva ajuda as cidades a filtrar e traduzir dados em informações relevantes e acionáveis ​​que tornam a vida da cidade melhor, mais fácil e mais produtiva.

4. Infraestrutura inteligente

As cidades poderão se planejar melhor com a capacidade de analisar grandes quantidades de dados. Isso permitirá manutenção proativa e melhor planejamento para demanda futura. Ser capaz de testar a quantidade de chumbo presente na água em tempo real, quando os dados mostram que um problema está surgindo, pode prevenir problemas de saúde pública, por exemplo.

Ter uma infraestrutura inteligente significa que uma cidade pode avançar com outras tecnologias e usar os dados coletados para fazer mudanças significativas nos planos futuros da cidade.

5. Mobilidade inteligente

A mobilidade se refere tanto à inovação quanto aos dados que trafegam pela tecnologia. A capacidade de entrar e sair de muitos sistemas municipais e privados é essencial para que possamos realizar a promessa de cidades inteligentes.

Construir a cidade inteligente nunca será um projeto “acabado”. A tecnologia precisa ser interoperável e atender às expectativas, independentemente de quem fez ou quando foi feita.

Os dados também precisam encontrar caminhos desimpedidos à medida que se movem entre sistemas, com a devida atenção à propriedade intelectual, segurança e preocupações com a privacidade. 

6. Dispositivos inteligentes de IoT

E, finalmente, um dos principais componentes que une tudo em uma cidade inteligente são os dispositivos IoT.

Uma cidade inteligente tem uma ampla gama de dispositivos como sensores, dispositivos de visibilidade e outros endpoints que criam os dados para que ela funcione.

Em uma cidade inteligente, as informações serão cada vez mais obtidas diretamente de sensores que coletam e compartilham informações úteis. Com esses dados, sistemas urbanos complexos poderão ser gerenciados em tempo real.

À medida que a dependência de sensores cresce, também aumentará a necessidade de que eles sejam confiáveis ​​e que os sistemas aos quais eles estão conectados consigam tolerar as inevitáveis ​​falhas.

Um dos problemas que acontece com uma cidade inteligente é a grande quantidade de informações. O grande conjunto de dados pode ser algo considerável esmagador. Afinal, informações recebidas que não são aproveitadas, tornam-se apenas dados sem utilidade, sendo apenas acumulados.

Cada uma dessas tecnologias trabalha em conjunto para tornar uma cidade cada vez mais inteligente.

Os próximos passos

À medida que a população mundial cresce e mais pessoas se mudam para áreas urbanas, a necessidade de cidades mais inteligentes aumentará para fazer o melhor uso dos recursos disponíveis.

E você, já conhecia alguma dessas tecnologias das cidades inteligentes? Gostou do nosso post? Acompanhe nosso blog e fique por dentro de todas as nossas dicas e novidades!

As 6 tecnologias que impulsionam as cidades inteligentes
4 (80%) 1 vote

Posts Relacionados:

No Comments

Leave a Comment

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked